Por que identificar as camadas que formam o perfil geotécnico em obras de infraestrutura?

por-que-identificar-as-camadas-que-formam-o-perfil-geotecnico-em-obras-de-infraestrutura

Identificar o perfil geotécnico em obras é um passo importantíssimo, sendo necessário para edificar estruturas com segurança e sem preocupações futuras com acidentes, rachaduras ou escorregamentos.

Os problemas que podem surgir pela não realização do perfil geotécnico em obras são variados, estando diretamente correlacionados com o tipo de solo em que a edificação se encontra. Dessa forma, sem a identificação do perfil geotécnico, é impossível até mesmo prever que tipo de acidente pode acontecer no futuro do prédio.

Quer saber mais sobre a importância de identificar o perfil geotécnico em obras e como realizá-lo de maneira eficaz e fácil? Você encontra as respostas neste artigo. Continue a leitura para saber mais.

Estudos do solo: perfil geotécnico em obras e a geofísica

Nós já tratamos anteriormente sobre a convergência das áreas da geofísica e a geotecnia, e como as duas atuam de forma conjunta para identificar de forma mais simples e com menos custos o perfil geotécnico em obras.

A geotecnia atua com sondagens diretas para o reconhecimento do solo e para a elaboração do perfil geotécnico em obras, enquanto a geofísica usa-se de métodos indiretos.

Estudos do solo perfil geotecnico em obras e a geofisica

A geotecnia é essencial para o reconhecimento, não podendo ser substituída por métodos geofísicos, já que o perfil geotécnico em obras necessita dessa sondagem direta. Mas ao mesmo tempo, as duas áreas juntas se completam na redução de custos e na segurança da interpretação das informações.

Por exemplo: identificar o perfil geotécnico em obras leva tempo e pode necessitar de até  50 sondagens diretas. Usando métodos da geofísica, é possível reduzir esse número para 5 ou 10 e realizar um levantamento geoelétrico com a técnico de caminhamento elétrico para extrair as informações do subsolo. Isso se traduz em uma grande economia de tempo, esforço e dinheiro.

Além disso, o processo geofísico é contínuo, sendo que as sondagens diretas são pontuais. Dessa forma, utilizando-se das duas áreas, torna-se mais seguro entender onde está ocorrendo exatamente a variação nas amostras – fenômeno corriqueiro na identificação do perfil geotécnico em obras – e interpretar os dados de forma mais consistente.

Métodos de sondagens na identificação do perfil geotécnico em obras

Existem vários métodos de estabelecimento do perfil geotécnico em obras, cada um deles atuando de forma direta sobre o solo para que os estudos possam ser realizados de maneira segura.

Como ressaltamos anteriormente, essas sondagens diretas são a característica da geotecnia, sendo que os modelos indiretos, geofísicos, são usados para um entendimento maior e como um catalisador do trabalho, tornando-o mais simples e mais seguro.

Confira alguns exemplos de sondagens:

SPT

Também conhecido como sondagem à percussão, o SPT (do inglês standard penetration test) consiste em um método manual de estudo, que deve ser realizado por equipe preparada e bem treinada.

SPT - sondagem à percussão

O amostrador é cravado no solo com a ajuda de um martelo de ferro, e então calcula-se, através da quantidade de golpes dados para se atingir uma determinada profundidade qual é a resistência do solo, ou índice SPT.

Além disso, também é possível entender a composição do solo, a altura do lençol freático e, portanto, a capacidade de carga do subsolo.

Sondagem à trado

As sondagens à trado, por sua vez, não atingem grandes profundidades como as SPT. Elas são destinadas prioritariamente à análises laboratoriais do solo, sendo que o equipamento usado é manual e normalmente é operado por duas ou três pessoas.

Sondagem a trado

A sondagem à trado é rasa, indo até seis metros normalmente. Em trados mecânicos, a profundidade pode chegar até 30 metros. Usa-se esse modelo de sondagem para identificar a extensão de jazidas de minerais de baixa dureza (como o talco), estudo dos subleitos de rodovias, verificação da profundidade do lençol freático, dentre outros. Não é possível saber o índice de resistência do solo.

SPT-T

Segue o mesmo padrão que o SPT, e usa basicamente o mesmo equipamento, mas com algumas adições para a medição do torque. E no que isso implica? É bem simples:

Em alguns casos, a presença de pedregulhos atrapalha a medição da resistência do solo, o que pode causar problemas sérios com a má leitura dos dados. Com a adição do torque, o atrito lateral causado por esses elementos no solo é cancelado e os dados podem ser lidos com maior fidelidade.

Sondagem rotativa

É um método de sondagem que se utiliza do movimento de rotação para a perfuração de rochas, que produz amostras contínuas dos minerais a serem analisados.

Sondagem rotativa

As rochas também têm o seu comportamento, sendo que, ao se construir sobre elas, é importante conhecer exatamente a sua natureza e a sua capacidade de carga.

Uma ótima saída em terrenos mistos, muito comum para identificar o perfil geotécnico em obras, é utilizar o SPT ou o SPT-T em conjunto com a sondagem rotativa, quando existe a presença de rochas intransponíveis por penetração no subsolo. A esse tipo de procedimento é dado o nome de sondagem mista.

Conhecer o perfil geotécnico em obras é fundamental para qualquer empreendimento, então esperamos que essas informações te ajudem nas suas construções futuras.

(imagens: divulgação)

Nenhum comentário ainda