Segurança na obra: o que é o método GPR?

seguranca-na-obra-o-que-e-o-metodo-gpr

Ter segurança na obra é fundamental para que um bom trabalho seja desenvolvido pelos profissionais na construção das estruturas. Para isso, a limpeza do ambiente, o uso de EPIs e controle do entulho no local é fundamental. Mas a segurança não para por aí.

Para conseguir a segurança na obra de forma maximizada, o ideal é conhecer a situação do subsolo: se existem estruturas enterradas, qual é a sua natureza e o risco que elas apresentam aos trabalhadores. Esse passo é fundamental para evitar acidentes futuros. Mas como realizar essa aferição?

A geofísica resolve essa problemática através do método GPR, o ground penetrating radar, ou radar de penetração do solo. Quer saber no que consiste o GPR e suas vantagens para a segurança na obra? Neste artigo você descobre. Continue a leitura para saber mais!

O que é o método GPR?

O GPR – também chamado de Georadar – é um método geofísico de superfície (e portanto não destrutivo) que se utiliza de ondas eletromagnéticas de alta frequência para mapear diferenças litológicas subsuperficiais, cavidades e, objetos e estruturas enterradas.

O que e o metodo GPR

O método GPR funciona a partir de um equipamento constituído de uma antena blindada, uma unidade de processamento e armazenamento para o acompanhamento dos dados em tempo real.

 Além disso, o equipamento, por ser pequeno e de aquisição rápida, muitas vezes é montado sobre um carrinho ou até mesmo um automóvel para maior mobilidade.

Para realizar o mapeamento, são emitidos pequenos pulsos eletromagnéticos de alta frequência (entre 10 e 2500 Mhz, frequências que garantem grande resolução) através da antena transmissora.

Esse sinal, então, é transmitido para o solo, que, de acordo com as diferentes estruturas, características geológicas e as variadas permissividades elétricas dos elementos componentes do solo, reflete parte da onda eletromagnética.

O sinal refletido é captado por uma antena receptora, e as informações são então transmitidas para a unidade de armazenamento e interpretadas pelos geofísicos através de softwares específicos.

Como o GPR atua na segurança da obra?

Com a aferição feita pelo método GPR, é possível mapear informações importantes sobre o solo, sendo que a principal delas na segurança da obra, como dito anteriormente, é a possibilidade de encontrar estruturas enterradas que constituem alto risco para os trabalhadores.

Como o GPR atua na seguranca da obra

Normalmente, para se construir edificações, são usadas fundações rasas ou profundas, sendo que em ambas é necessário realizar escavações no solo para o preenchimento posterior com concreto. Se alguma estrutura estiver enterrada sem o conhecimento dos trabalhadores, acidentes graves podem acontecer.

Além disso, dependendo da estrutura enterrada, os custos para a sua remoção podem até mesmo inviabilizar o curso da obra naquele local específico. É o caso de grandes tanques abandonados – que podem inclusive conter resquícios de materiais inflamáveis ou tóxicos – e outras estruturas com grande volume e peso.

Porém, o maior problema a ser encontrado pelo método GPR com antecedência não são as grandes estruturas. Para garantir a segurança na obra, o geofísico deve ficar atento às tubulações e cabeamentos enterrados.

O método GPR é particularmente necessário em projetos de reformas, que se baseiam na restauração de imóveis já existentes e com uma ampla gama de estruturas enterradas, entre elas as mencionadas tubulações. Para saber exatamente onde localizá-las, o método GPR é o maior aliado das construtoras.

Tubulações: um grande risco para a obra

Um exemplo claro de problemas na segurança da obra são tubulações cruzando o terreno. Se elas transportam água, ou dados, interromper seu fluxo pode gerar não só riscos à segurança na obra, mas também transtornos para as pessoas que dependem desse canal de distribuição. Podendo gerar inclusive situações de grandes perdas financeiras à um processo industrial paralisado.

Tubulacoes um grande risco para a obra

E a água ainda é uma situação relativamente simples de resolver. Se existe uma tubulação transportando materiais perigosos, como gases inflamáveis ou tóxicos, a segurança da obra está comprometida não apenas no foco do vazamento, mas por toda a sua extensão.

O método GPR se torna particularmente necessário para qualquer loteamento por conta das tubulações clandestinas, principalmente porque é impossível saber que elas estão instaladas no local através de consultas à prefeitura. A única forma de descobri-las com segurança é realizando uma prospecção com o método GPR.

Cabeamentos enterrados também podem ser grandes causadores de acidentes, especialmente quando transportam energia elétrica. Encontrar eletrodutos subterrâneos, mesmo não muito comum, é um risco alto que pode ser facilmente evitado com o método GPR. Se máquinas pesadas sem o devido isolamento rompem algum cabo, há perigo de eletrocussão.

Dessa forma, para a maior segurança da obra, encontrar estruturas enterradas usando o método GPR, que vale ressaltar, é não invasivo, é muito mais vantajoso do que encontrá-las durante a escavação para a fundação.

Se alguma tubulação ou fiação for encontrada durante a prospecção usando o método GPR, é importante trabalhar ao redor das estruturas, evitando o contato com elas.

Para maiores instruções de como prosseguir com a construção em caso de descoberta de tubulações com o método GPR, consulte o Corpo de Bombeiros local.

Se você gostou desse artigo e se interessa pela geofísica e pela geotecnia, não deixe de conferir nossas outras postagens no blog! Temos muito mais sobre o assunto para você. Até a próxima!

(imagens: divulgação)

Nenhum comentário ainda